Ferrari banhada a ouro é a raridade do acervo de Charles Watanabe (Foto: Ana Carolina Levorato / G1)
Um grupo de colecionadores de carrinhos de Sorocaba (SP) expõe raridades transformadas em carrinhos em miniaturas. Entre os mais de mil modelos diferentes de diversas marcas e tamanhos, uma pequena Ferrari chama atenção. A peça que cabe na palma da mão, banhada a ouro, é o xodó do médico sorocabano Charles Watanabe. (Clique aqui para ver a galeria de fotos)

Miniatura é uma edição limitada
(Foto: Ana Carolina Levorato / G1)
Apesar dele não revelar o preço da miniatura – "para não levar bronca em casa", brinca –, o pequeno exemplar do carro da marca italiana parece uma joia na caixinha. O brilho dourado é cuidadosamente preservado em uma redoma de acrílico e exposta junto com outros carrinhos da mesma linha. “É um exemplar difícil de encontrar porque menos de mil foram fabricados. Ele tem uma leve camada de ouro, o que deixa o brilho dourado muito mais intenso e a peça ainda mais importante”, conta.

Watanabe é um colecionador fiel dos modelos de Ferrari com malas cheias dos pequenos automóveis. “Fazemos exposições mensalmente em vários locais de Sorocaba com o objetivo de mostrar o que temos para outros colecionadores e também para as crianças, que muitas vezes nunca viram tantos carrinhos assim", afirma.

Neste fim de semana, Watanabe e outros cinco amigos do grupo Sorocaba Diecast Collectors colocaram suas miniaturas aos olhos de visitantes e curiosos em uma loja de brinquedos no centro da cidade. Os visitantes puderam apreciar miniaturas de carrinhos dos mais diversos fabricantes, pequenas réplicas de caminhões, viaturas, carros de automobilismo, Fórmula 1, além de exemplares saídos de desenhos e dos quadrinhos, como o Batman, e peças exclusivas feitas especialmente para eles.

Colecionadores se reuniram em Sorocaba (Foto: Ana Carolina Levorato / G1)

Segundo os colecionadores, apesar dos carrinhos serem cuidadosamente guardados em caixas com divisórias, eles ficam em “salas de bagunça” ou em cantos especiais da casa, onde poucos têm acesso. “A família fica meio confusa com tudo o que a gente tem. Fico imaginando um dia se me perguntarem se eu prefiro eles ou a coleção. Acho que eles não vão gostar muito da resposta”, brinca Fabiano Santos, que divide a paixão das miniaturas, que vem desde criança, com bonecos de super heróis e histórias em quadrinhos. Ele conta que já gastou R$ 1 mil na compra de apenas dois carros.

“Algumas peças são caras por vários detalhes. É preciso ver a marca, a quantidade de detalhes, o número de tiragens, etc. Poucos exemplares conseguimos no Brasil, o resto encontramos na internet de outros colecionadores do Japão, Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra, o que encarece ainda mais a miniatura. Quanto mais antigo, mais caro é. E se for exclusivo ou customizado o preço é bem maior”, explica.

Pedro Cavagna, de 8 anos, aprendeu o hobby com
o pai (Foto: Ana Carolina Levorato / G1)
De pai para filho
 
Também dono de uma coleção de carrinhos, porém em uma quantidade bem menor, o engenheiro Eli Cavagna levou o filho Pedro, de oito anos, para conhecer os exemplares. “Faço coleção desde os 14 anos, todos os meus estão colocados nas prateiras, enquanto os do meu filho estão jogados no balde. Hoje ele brinca, mas eu sei que com o tempo ele vai ter o mesmo carinho”, diz o engenheiro. Na exposição, Pedro se interessou pelos carrinhos de Fórmula 1, principalmente as Ferraris de Watanabe.

Para o engenheiro, é importante que o filho veja que há outros brinquedos além do vídeogame. “A gente tenta dar uma controlada no tempo que ele fica no computador. É importante que ele tenha esse contato manual com os brinquedos. É saudável e ele ainda pode aprender com a história”, afirma Eli.

Réplica de viatura do Samu foi feita por encomenda
(Foto: Ana Carolina Levorato / G1)
Além de Pedro, Lucas Alanchev também se divertiu na exposição. Acompanhado do pai e do irmão, o menino de 10 anos de idade se encantou com uma réplica do carro do filme “De volta para o futuro”, do colecionador André Luiz Batista. “Eu gosto dos carros temáticos que têm a ver com o filme. Esse é o mais legal de todos, porque não é só um carro, é uma máquina do tempo”, diz.

Para André, a troca de experiências é o principal objetivo da exposição, ainda mais com as crianças que estão começando a conhecer os carrinhos de coleção. “A nossa ideia é exatamente essa. Que eles possam tocar e apreciar o que temos aqui. Quem sabe mais para frente eles não comecem uma coleção maior do que a nossa?”, completa.

Lucas segura o carrinho preferido com o dono, André Batista (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)

 Fonte: G1
 

0 comentários:

Postar um comentário

O que achou deste artigo? Deixe seu comentário abaixo. Dúvidas, críticas ou sugestões são bem vindas.

 
Topo da Página